arteterapia

Arquitetura Antroposófica – União da Organização e Arteterapia

Arquitetura Antroposófica - União da Organização e Arteterapia

Quando comecei a Estar, há 10 anos, nem imaginava a abrangência de serviços que prestaria, como faço hoje.

Antes de chegar na organização e arteterapia, meu trajeto teve início na arquitetura: sou formada pela FAAP desde 2006 e sempre gostei dessa área pois a arquitetura tem o objetivo de concretizar sonhos; edificamos o que está no mundo das ideias e, de repente, aquilo é materializado. Esse é um dos motivos pelos quais relaciono a arquitetura como uma manifestação do inconsciente. 

Mas como me aprofundei nessa ideia e a combinei com a organização e arteterapia?

Ao longo do meu processo profissional fui percebendo no mercado que alguns arquitetos gostam de criar uma assinatura em seus projetos, algo que nunca me identifiquei. Assim, comecei a dar ênfase e importância para uma arquitetura mais antroposófica e afetiva.

Daí veio o conceito de unir o desenvolvimento do projeto com o autoconhecimento. Mas como isso funciona? Explicando de maneira resumida, quando um projeto começa a ser elaborado, é feito um mapa astral de todos os moradores da casa, para assim conhecer cada um que lá habitará.

Então, procuro trabalhar nos projetos estímulos e experiências, dando a chance de despertar os sentidos, através de texturas, cores, cheiros e futuramente, sabores. Esse espaço toma outro significado, possibilitando a criação de novas memórias. 

Caixinhas Rainbow by Margô Belloni

Caixinhas Rainbow by Margô Belloni
Caixinhas terapêuticas com banhos de ervas e defumadores

“Neste instante, esteja onde estiver, há uma casa com seu nome. Você é o único proprietário, mas faz tempo que perdeu as chaves. Por isso, fica de fora, só vendo a fachada. Não chega a morar nela. Essa casa, teto que abriga suas recônditas e reprimidas lembranças, é seu corpo. ”
Trecho do livro: “O corpo tem suas razões” de Thérèse Bertherat e Carol Bernstein.

Desde que comecei a trabalhar com organização pessoal trato o corpo como uma casa. Não dá para separar a casa “edificação” da casa “pessoa” e “corpo.” Tudo o que expressamos na nossa vida domiciliar é uma manifestação do nosso inconsciente, das nossas emoções e estados de espírito.

Sobre as caixinhas

As caixinhas com banho de ervas e defumadores de ambientes são mais uma ferramenta para nos trazer para dentro, é um convite a se organizar energeticamente e se alinhar com seu mundo externo. Dei o nome de linha Rainbow  fazendo uma alusão a esse fenômeno lindo da natureza que eu tanto amo e que está representado nos nossos chakras.

Eles são 7:

Chakra Raiz representado pela cor vermelha. “Eu sou confiante.”
Chakra Raiz representado pela cor vermelha.
“Eu sou confiante.”
Chakra Sacral representado pela cor laranja. “Eu sou criativo e cheio de alegria.”
Chakra Sacral representado pela cor laranja.
“Eu sou criativo e cheio de alegria.”
Chakra Plexo Solar representado pela cor amarela. “Eu sou capaz e forte.”
Chakra Plexo Solar representado pela cor amarela.
“Eu sou capaz e forte.”
Chakra Cardíaco representado pela cor verde. “Eu sou Amor.”
Chakra Cardíaco representado pela cor verde.
“Eu sou Amor.”
Chakra Laríngeo representado pela cor azul claro. “Eu expresso a minha verdade através da palavra.”
Chakra Laríngeo representado pela cor azul claro.
“Eu expresso a minha verdade através da palavra.”
Chakra Frontal representado pela cor azul escuro. “Eu sou calmo e soluciono qualquer problema.”
Chakra Frontal representado pela cor azul escuro.
“Eu sou calmo e soluciono qualquer problema.”
Chakra Coronário representado pela cor roxa. “Eu estou conectado e em paz.”
Chakra Coronário representado pela cor roxa.
“Eu estou conectado e em paz.”

Cada caixinha contém:

01 defumador de ambientes de ervas naturais
02 banhos de ervas no potinho de vidro

Deixe uma cor te escolher, não se preocupe em saber pela razão qual seria a escolha ideal. Trabalhe sua intuição. Esteja presente. Se dê esse carinho!


Para comprar a sua, clique aqui .
O envio será calculado de acordo com o local da entrega.

O Novo Campo da Arte Terapia

O Novo Campo da Arte Terapia

No Brasil a arte terapia é um campo muito novo, tem apenas 30 anos e como a maioria das novas disciplinas não é muito bem compreendida, sendo que em alguns lugares nem conhecida ainda é, podendo ser mesmo confundida com arte educação.

Muitos pensam que arte terapia significa trabalhar com arte, com aqueles que são diferentes do que é considerado normal, mas a definição da arte terapia não deriva do público com quem se trabalha mas sim do local em que ela é aplicada.

O Novo Campo da Arte Terapia

O Que É Arte Terapia

A essência da arte terapia consiste em envolver duas partes que compõem seu nome, entendendo a atividade da arte primeiramente como terapêutica, o que inclui tanto o diagnóstico como o tratamento. Para ser um efetivo terapeuta você deve analisar quem ou o quê está tratando, mas para ser uma arte terapeuta você precisa conhecer muitíssimo sobre ambos os componentes dessa híbrida disciplina.

É necessário conhecer arte: o meio e processo e sua natureza e potencial. É preciso conhecer o processo criativo, a linguagem das artes e a natureza dos símbolos, das formas e conteúdo.

Também é preciso conhecer terapia. É preciso saber sobre si mesmo e sobre os outros em termos de desenvolvimento, psicodinâmicas e relações interpessoais.

Por último, é preciso saber sobre a natureza da relação de tratamento e os principais mecanismos que ajudam os outros a mudar.

Metodologia da Organização Pessoal Com Arteterapia

Metodologia da Organização Pessoal Com Arteterapia

A cada abertura de um novo episódio, Marie Kondo se apresenta e em seguida solta a frase: “minha missão é levar alegria ao mundo por meio da ordem”. Além de organizadora, ela também é escritora e se dedica a inspirar o mundo a escolher a alegria com o método de organização que criou. Segue, ainda, contando que sua metodologia é única, pois organiza por categoria e não por área ou cômodo. Kondo explica, “no meu método há cinco categorias”, quais sejam:

1. Roupas;
2. Livros;
3. Papeis;
4. Komono – que engloba cozinha, banheiros, garagem e itens variados;
5. Objetos com valor sentimental.

Mas como funciona a metodologia da organização pessoal com arteterapia?

No método de organização que aprendi em 2011, quando fiz minha primeira formação para trabalhar como PO, o processo de organização foi ensinado da seguinte forma:

1. Descarte – desfazer-se do que não usa;
2. Categorização- separar as peças por grupos;
3. Planejamento – quantificar roupas e objetos para verificar se haverá necessidade do uso de produtos organizadores;
4. Limpeza – passar pano, tirar pó e lavar;
5. Implantação – devolver as roupas e objetos aos armários já limpas, penduradas e dobradas/inseridas nos produtos organizadores para, por fim, montar uma lógica de uso;
6. Identificação – etiquetar para ajudar na manutenção da organização;
7. Manutenção – serviço oferecido à parte para manter a organização;
8. Revisão – caso o cliente não se adapte a algo proposto no processo.

Além do exposto, aprendi ainda: a montar enxovais, fazer lista de presentes de casamento, consultoria de estilo, fazer moldes para dobrar roupas, métodos inusitados de tirar manchas de toda sorte de tecidos, tirar mofo e até matar traças,  tudo no mesmo curso (que durou um fim de semana).

Como Funciona Meu Próprio Método de Organização E Suas Etapas

Com tantas coisas para oferecer, precisei focar e sintetizar o quê havia aprendido e foi assim que criei meu próprio método de organização, a partir de observações durante visitas técnicas, dos questionários de anamnese e das reações positivas que vinham dos serviços concluídos. Desta forma, coletei muitas informações e defini, afinal, o quê oferecer e o quê negar aos clientes, sendo meu serviço oferecido nas seguintes etapas:

O Descarte é a etapa “menina dos olhos de todo profissional de organização”. É imprescindível aqui a participação do cliente,  não sendo possível em uma única visita técnica conhecer a vida de quem está me contratando. Não conheço todas as roupas, não sei quais estão sendo usadas e quais estão só ocupando espaço, não sei o que serve ou não serve e não sei o que tem valor afetivo. Preciso ser minimamente norteada e é, justamente aqui, que a Arteterapia se encaixa pois é nesta fase que o cliente entra em contato com suas emoções e nela que os desconfortos e conflitos podem emergir.

Descarte/categorização/planejamento/implantação, funcionam para mim como uma única etapa, já que trabalho por ambiente e geralmente é esperado de mim que comece e termine o serviço no mesmo dia. Feito isso, faz parte do processo dobrar e pendurar todas as peças que vão voltar para os armários de origem. Costumo não usar muitos produtos novos na hora de organizar, mas para que a organização passe aquela sensação de leveza e paz é fundamental padronizar cabides e usar colmeias nas gavetas, todo o resto fica a critério do cliente.

Note que na série “Ordem Na Casa”, Marie participa do descarte somente no momento que todas as peças da categoria “Roupas” são tiradas dos armários e amontoadas em único cômodo; após isso, ela sai de cena e deixa o cliente fazer o descarte, dobrar e pendurar todas as peças. Percebi que aqui no Brasil se eu deixar esta parte do processo para o cliente fazer, eu nunca mais consigo trabalho. Culturalmente, as pessoas se julgam especiais demais para lidar com coisas tão triviais, mas caso lidassem com isso sozinhas, com toda certeza passariam a ter mais consciência sobre consumo.

Metodologia da Organização Pessoal Com Arteterapia

Com relação à limpeza, esta foi uma das etapas que eliminei do meu processo, logo de cara. Sempre deixo claro em contrato que isso é uma responsabilidade do próprio cliente. Posso fornecer alguém para limpar, o que gera um custo adicional, ou o cliente disponibiliza alguém de sua confiança para realizá-la. A limpeza demanda tempo e a organização também, sendo coisas distintas e desempenhadas por profissionais especialistas em cada área. Existem pessoas, independente de classe social, que não tem a menor noção de limpeza e higienização de ambientes, mas isso é outra história, para outro post e treinamento à parte.

Identificação através de etiquetas é uma opção para o cliente, alguns gostam pois ajuda suas colaboradoras a voltar os itens para o lugar com facilidade, já para as crianças as etiquetas dão autonomia, visto que são capazes de pegar o que querem e guardar no mesmo lugar com o auxílio destes pequenos avisos.

Manutenção é a parte que mais me incomoda nesse método e também é uma etapa não muito valorizada pelo cliente, uma vez que funciona apenas com pessoas que te contratam para organizar e fecham um acordo separado, com combinados feitos entre as partes para que seja mantido mensalmente ou trimestralmente o que foi implementado; caso contrário se passar mais de 6 meses da última organização, deve-se contar como um novo processo.

A Revisão prefiro chamar de adaptação:  pode acontecer de algo não funcionar bem na rotina do cliente e eu precisar voltar para adaptar (ou melhorar) o que não funcionou, mas é algo pontual e específico. Geralmente há prazo de uma semana para ser detectado pelo cliente e corrigido por mim.

Conclusão

Meu olhar para organização em etapas, como a que me foi apresentada, é de que não parece fazer muito sentido já que a organização por ambiente pede que todos ocorram simultaneamente para se obter o resultado esperado. O que me difere das profissionais do mercado é que uso a Arteterapia como parte desse método, fazendo dele um processo que deve ser executado num período de 04 a 06 encontros semanais, que duram aproximadamente uma hora e meia. Após a parte arte terapêutica, partimos para ação: em alguns encontros faremos só sessões de arteterapia, em outros apenas organização (sendo que ambos podem acontecer ao mesmo tempo – tudo dependerá do conteúdo emocional que surgirá durante o desempenho).

No atendimento mais recente que apliquei a arteterapia, percebi que ela foi fundamental para o cliente. Minhas percepções foram relevantes para que a mesma seguisse no processo sozinha após o término de nossas sessões. Ainda acompanho essas transformações em sua vida  por meio de atualizações periódicas, mensagens enviadas, fotos e também por seu Instagram profissional, que foi onde as investidas do processo mais surtiram efeito e se apresentaram publicamente.

A arteterapia impactou sua relação com seu irmão, que já estava ocupando o apartamento antes dela chegar; ele se negava a abrir mão de espaço por achar que ela estava invadindo seu território. O que aconteceu foi: ele dividiu a sala em duas partes, um lado dele e outro dela, ela não podia fazer qualquer alteração de layout, portanto não se reconhecia naquela casa. Todos seus objetos e livros estavam no chão. Dentro do quarto ela ainda trabalhava, dormia e abrigava gatos, pois a parte da sala que tinha a varanda era do irmão, que não permitia que ela e os animais circulassem por ali. Foram 04 atendimentos com vivências, conversas e mão na massa para conseguirmos construir bases seguras para que ela se desfizesse de muitas roupas e objetos. No corredor dos quartos pendurou 03 quadros que ganhou de seu avô, os quais abrigavam um enorme conteúdo afetivo, tendo sido posicionados onde ela os via todas as vezes que chegava em casa.

Por fim, ela conseguiu conversar com o irmão e agora sei que alterou o layout da sala e os dois estão convivendo pacificamente, sem delimitação de território. No quarto ela mudou a posição da escrivaninha, virando-a para a parede, fazendo com que assim tivesse mais foco para trabalhar com suas fotografias. Tudo isso fez com que tivesse salto quântico na sua produtividade e criatividade e o que mais me deixou feliz neste processo é que não terminou quando acabaram nossos encontros, ele simplesmente começou.

Metodologia da Organização Pessoal Com Arteterapia

Minha Missão

Compartilho isso, pois é importante ressaltar que minha missão é levar às pessoas um maior conhecimento de seus potenciais criativos e uma vida saudável em todos os âmbitos: pessoal, profissional e financeiro. São muitos os ganhos a partir desse exercício, como autoconfiança, liberdade, felicidade, harmonia, leveza, autocontrole e autonomia. A alegria é um sentimento efêmero, são momentos fugazes. Eu creio nos ciclos, na impermanência das coisas, na transformação, ritmo, cadência, constância e sustentação e é isso que viso transmitir com meu trabalho e aprofundamento em cada cliente, em toda sua história de vida traduzida pela sua relação com os ambientes e com suas emoções.